Equipes das unidades judiciárias de Piancó recebem orientação técnica da Corregedoria

Juízes dialogam com a Diretoria do Fórum

Dúvidas dirimidas, orientações traçadas e reconhecimento pelos dados positivos encontrados. Essa foi a postura da Corregedoria Geral de Justiça no diálogo estabelecido junto às unidades judiciárias do Fórum de Piancó nessa quarta-feira (17), durante reuniões individualizadas com as equipes das 1ª e 2ª Varas, Diretoria do Fórum e oficiais de justiça.

Os juízes corregedores puderam tratar com os presentes sobre ajustes e procedimentos relacionados a sistemas processuais, controle de metas, destinação de bens, estratégias de gestão, entre outros assuntos.

“O que propomos aqui não é sobre trabalhar mais, e, sim, sobre trabalhar melhor. Apoderar-se do uso das ferramentas disponíveis para alcançar mais eficiência, com menos esforços”, explicou a juíza corregedora Aparecida Gadelha, que realizou as orientações ao lado do juiz corregedor Carlos Neves.

O juiz titular da 1ª Vara e diretor do Fórum, Pedro Davi Alves de Vasconcelos, agradeceu pelo trabalho da CGJ e estendeu o agradecimento aos servidores. “Orgulha-me fazer parte desta equipe, pois cada um aqui é responsável pelos resultados que temos alcançado”, completou.

Por Gabriela Parente

Orientação, correções e reconhecimentos são pontuados nas reuniões da CGJ com as Varas de Bayeux

Reunião com equipe da 5ª Vara Mista de Bayeux

Foco em despachos que levem o processo ao fim. Esta é apenas uma entre as tantas orientações feitas nessa terça (11) e quarta-feira (12) na Comarca de Bayeux, durante reuniões técnicas promovidas pela Corregedoria Geral de Justiça com os membros de cada uma das cinco unidades judiciárias e da Diretoria do Fórum. Conteúdos específicos atinentes à especialidade das varas também foram esmiuçados na ocasião.

Ao iniciar os diálogos, o juiz corregedor Carlos Neves, coordenador da correição, explicou que um trabalho de aproximação vem sendo estimulado pela atual gestão da CGJ. “O corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão, entende que essa proximidade é importante. Trazemos aqui nossas constatações, correções, quando necessárias, e esclarecimentos. Enquanto Corregedoria, nos colocamos à disposição para qualquer dificuldade nas unidades judiciárias”, afirmou.

Além de aspectos técnicos relacionados ao PJe e a sistemas diversos operados pelos magistrados e servidores, os juízes corregedores apontaram os diagnósticos positivos encontrados em cada unidade.

Reunião na 3ª Vara Mista de Bayeux

“É importante trazermos, também, o reconhecimento a toda a equipe pelo que vem dando certo. Uma boa gestão fica evidente nos números, que revelam a busca pela entrega de uma boa jurisdição”, ressaltou a juíza Aparecida Gadelha.

Ao final dos encontros, muitos juízes avaliaram positivamente as orientações apresentadas, como expôs o magistrado Francisco Antunes. “Agradecemos pelas explicações e ficamos felizes com os esclarecimentos trazidos pela Corregedoria”, declarou o diretor do Fórum.

Já o juiz Euler Jansen (titular da 3ª Vara) estendeu o agradecimento aos servidores daquela unidade. “Aqui, temos uma equipe unida, competente, com um diálogo diário. É fácil ser juiz com a metodologia de trabalho que estabelecemos em que todos colaboram com os resultados”, disse.

Por Gabriela Parente