Enfrentamento à violência na Comarca de Santa Rita é tratado entre CGJ e forças de segurança

Corregedor Carlos Beltrão conduz reunião

Situações específicas sobre o enfrentamento à violência na Comarca de Santa Rita foram discutidas na tarde dessa quinta-feira (4) em reunião realizada pela Corregedoria Geral de Justiça da Paraíba com os representantes das forças de segurança local. A criminalidade na região, a atuação e a estrutura das Polícias (Civil, Militar e Penal) e o diálogo com o Judiciário foram alguns pontos tratados.

Ao abrir a reunião, o corregedor-geral de Justiça da Paraíba, desembargador Carlos Beltrão, disse ser imprescindível a aproximação entre os órgãos. “É um debate fundamental para o desenvolvimento de um trabalho conjunto pela coletividade. Todas as questões aqui debatidas serão tratadas junto aos juízes da comarca, ainda na correição”, afirmou.

O juiz corregedor Carlos Neves destacou a necessidade de aprimorar o diálogo. “Estamos aqui para ouvir o que pode ser feito para aperfeiçoar a comunicação entre as instituições na atuação cotidiana”, pontuou.

Já a juíza corregedora Aparecida Gadelha explicou aos presentes o aspecto colaborativo da correição. “Vimos que a audiência pública não era suficiente para o aprofundamento de algumas pautas. Nas reuniões setoriais, algumas demandas podem ser melhor discutidas”.

O delegado da Seccional Aneilton Castro elogiou o formato da reunião. “Gostei muito desta proposta de proximidade, integração e aprimoramento do fluxo. Isso é importante para que possamos somar esforços para promover a paz social”, disse.

Para o comandante do 7º Batalhão da Polícia Militar de Santa Rita, tenente-coronel Lima, a cidade é culturalmente violenta e a chegada das facções criminosas agravou o quadro. “Mas temos agido com planejamento e estratégia neste enfrentamento. Criamos uma prática de auxiliar a Polícia Civil nos casos, com a ajuda da Polícia Penal. Temos trabalhado de forma integrada”, completou.

O subcomandante-geral da PM, coronel Ronildo, lembrou a importância da intervenção do Estado no incentivo à Educação, ao esporte, à estrutura urbana e outros aspectos como estratégia de combate ao crime.

Muitos aspectos do contexto local foram debatidos na reunião, que também teve a participação da delegada Wládia Holanda e do policial penal Carlos Eduardo Dias, diretor da Penitenciária Padrão de Santa Rita.

Visita da CGJ ao 7º Batalhão da PM

Visita ao 7º Batalhão – Ainda buscando o fortalecimento da relação institucional para um melhor combate à violência, na manhã desta sexta-feira (5), o corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão, e o juiz corregedor Carlos Neves realizaram visita ao 7º Batalhão da Polícia Militar em Santa Rita. Na ocasião, foram recepcionados pelo comandante do Batalhão, coronel Lima, e sua equipe.

Por Gabriela Parente

Corregedores debatem Segurança Pública na Comarca de Cabedelo

O corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão, e os juízes corregedores Antônio Carneiro e Carlos Neves se reuniram nesta quarta-feira (28) com representantes da Segurança Pública da Comarca de Cabedelo e da Gerência de Segurança do TJPB para tratar sobre a política e as práticas de combate ao crime naquela localidade.

“Essa união de forças é fundamental para planejarmos ações e promovermos a aproximação entre os juízes que atuam na área e os órgãos de Segurança Pública. Enquanto Corregedoria, buscamos saber o que precisa ser melhorado em termos de comunicação e ação efetiva”, disse o corregedor-geral, ao abrir a reunião.

Para o juiz corregedor Antônio Carneiro, os problemas da Comarca são complexos e precisam ser enfrentados em rede para que seja dada uma resposta positiva à sociedade.

Juiz corregedor Antônio Carneiro defende atuação conjunta entre Judiciário e Segurança

“Ao final da correição, serão emitidas determinações e concedidos prazos para algumas medidas. A premissa da segurança pública é a prevenção. Precisamos de uma ação articulada voltada a aperfeiçoar muitos aspectos relacionados à matéria”, disse Antônio Carneiro.

Os presentes dialogaram sobre os serviços de Inteligência das Polícias, as operações em andamento na Comarca, os mandados de prisão, o fluxo da remessa de armas para a Gerência de Segurança Institucional do TJPB, o aprimoramento e a reciclagem em relação ao Projeto Acesso Seguro na unidade judiciária, entre outros assuntos.

Ao relatar detalhes sobre a atuação das facções criminosas na cidade, o subcomandante da 6ª Companhia Independente de Polícia Militar (6ª CIPM), capitão Fábio Moreira, afirmou que existe uma atuação conjunta exitosa entre as polícias em Cabedelo, bem como com a magistratura local.

O delegado de Polícia Civil Luiz Eduardo, que atua no Núcleo de Homicídios de Cabedelo, defendeu que a ação integrada é fundamental. “Acredito que este ano, com a união entre as forças de Segurança, a Justiça e o Ministério Público, poderemos conseguir números melhores em relação à Segurança em Cabedelo”, disse.

Também participaram da reunião o gerente de Segurança Institucional do TJPB, coronel Gilberto Moura, e o servidor Jardel Rufino, coordenador do Projeto Acesso Seguro.

Por Gabriela Parente

Segurança pública na circunscrição de Catolé do Rocha é tema de reunião conduzida pela CGJ

A segurança pública na circunscrição integrada por Catolé do Rocha e outros 12 municípios da região pautou a reunião realizada pela Corregedoria Geral de Justiça nessa segunda-feira (11), primeiro dia de correição na Comarca.

O fortalecimento do diálogo com os entes que atuam em conjunto com o Judiciário é uma das marcas da atuação da CGJ durante as atividades correcionais, conforme explicou o juiz corregedor Carlos Neves. “Estamos aqui para saber da realidade local e como a Corregedoria pode auxiliar na melhoria dos fluxos visando colaborar com o melhor funcionamento da segurança pública na região”, disse o magistrado.

Os presentes trataram sobre distribuição de processos relacionados a tráfico, homicídios, violência doméstica, medidas protetivas, Audiências de Custódia, número de efetivos nas Polícias Militar e Civil, sistemas de comunicação, entre outros assuntos.

Ao final, os membros da CGJ informaram que, após a correição, haverá orientações e recomendações sobre os assuntos discutidos. “Precisamos que todas as instâncias conversem para que haja um melhor resultado do trabalho. Vamos buscar avançar na matéria”, finalizou o corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão.

Também participaram da reunião o juiz corregedor Antônio Carneiro, a juíza corregedora Aparecida Gadelha, os magistrados que atuam na Comarca, Renato Levi e Mário Leite de Moura, o delegado adjunto da 18ª Delegacia Seccional, Anderson Fontes, o coronel Galvão, o major Guimarães e o capitão Marcolany.

Por Gabriela Parente