Homenagem (in memoriam) : Sala de Reuniões “Elisabeth da Nóbrega Coutinho” é inaugurada no Fórum Cível da Capital

O Presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargador Saulo Henriques de Sá e Benevides, inaugurou, na manhã desta terça-feira (27), a Sala de Reuniões “Elisabeth da Nóbrega Coutinho”, localizada no 3º andar do Fórum Cível ‘Desembargador Mário Moacyr Porto’ da Comarca de João Pessoa. O evento contou com a presença do corregedor-geral de Justiça, desembargador Fred Coutinho, filho da homenageada.

O espaço foi nomeado em homenagem (in memoriam) à ex-presidente da Associação das Esposas dos Magistrados e Magistradas da Paraíba (Aemp), que faleceu no dia 3 de junho deste ano. A aempiana era esposa do desembargador (aposentado) do TJPB, Júlio Aurélio Moreira Coutinho.

O local é destinado a eventos institucionais de médio porte, reuniões de magistrados e servidores, audiências com grande número de partes, inspeções do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Corregedoria Geral de Justiça, webinários, encontro de comissões e confraternizações, entre outros. O ambiente tem capacidade para 50 pessoas e é equipado com telão, projetor, notebook, computador, impressora, internet e outros equipamentos.

O Presidente do TJ, desembargador Saulo Benevides, ressaltou que a homenagem tem um significado importante para os membros do Poder Judiciário estadual, bem como eterniza o nome de Elisabeth Coutinho. “Elisabeth Coutinho era exemplo de mãe, de cidadã, e esposa do Desembargador Júlio Aurélio, e que sempre batalhou na educação dos seus filhos”, falou.

Emocionado, o corregedor-geral de Justiça, desembargador Fred Coutinho, afirmou que a família recebe a homenagem com muita gratidão. Ele fez questão de agradecer, na sua fala, ao Desembargador Saulo Benevides, autor da propositura, e ao diretor do Fórum Cível da Capital, juiz José Herbert Luna Lisboa, pela singela homenagem. “É um momento especial e que honra a trajetória de vida da minha mãe”, disse.

O diretor do Fórum Cível, juiz Herbert Lisboa, ressaltou que a ex-presidente da Aemp deixou um legado de amor, honradez, integridade e fraternidade, sempre pronta para ajudar as pessoas, sobretudo, os mais humildes. “Dra. Elisabeth Coutinho se revelou uma mulher sábia! Discreta em suas ações e providência, mas a toda hora firme nos seus propósitos de justiça e solidariedade”, declarou o magistrado.

Na oportunidade, o coral da Aemp, sob a regência do maestro Pedro Paulo Martins Cavalcanti, executou algumas canções e o músico Marconi Antônio de Araújo cantou a composição ‘Oração pela Família’, de padre Zezinho. O padre Robson Bezerra fez uma benção das instalações.

Também estiveram presentes na cerimônia os Desembargadores Maria das Graças Morais Guedes (Vice-Presidente da Corte), João Alves da Silva, Joás de Brito Pereira Filho e Marcos William de Oliveira; os juízes Eduardo Rubens da Nóbrega Filho e Francisco Seráphico da Nóbrega Coutinho, filhos da homenageada; a presidente da Aemp, Carmem Benevides; o procurador-geral do Estado, Fábio Andrade Medeiros; o procurador-geral de Justiça, Antônio Hortêncio Rocha Neto; o presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), juiz Max Nunes; o presidente da Ordem dos Advogados da Paraíba, Harrison Targino; além dos desembargadores aposentados Arnóbio Alves Teodósio e Genésio Gomes Pereira Filho, magistrados, servidores, diretores e gerentes do TJ, promotores, familiares e amigos da homenageada.

Por Marcus Vinícius

CGJ homenageia juiz Eduardo José de Carvalho Soares pela aposentadoria e por trabalhos prestados ao Judiciário estadual

Os membros da Corregedoria Geral de Justiça da Paraíba expressaram o reconhecimento público pelo primoroso trabalho prestado pelo juiz Eduardo José de Carvalho Soares ao Judiciário estadual paraibano ao longo dos últimos 30 anos. O magistrado se aposentou voluntariamente na última sexta-feira (1º), deixando vaga a 2ª Vara de Executivos Fiscais da Capital, da qual esteve à frente como titular desde a sua instalação.

O corregedor-geral de Justiça, desembargador Fred Coutinho, ressaltou a dedicação, o empenho e o zelo impressos na vida profissional do colega Eduardo José. “Um magistrado que galgou a carreira na missão maior de servir à cidadania. Um homem cortês, que sempre manteve um sorriso no rosto por onde passou. E deixa saudades, com a sua aposentadoria”, disse.

Os demais juízes corregedores também teceram palavras elogiosas ao juiz. “Eduardo José deixa um grande legado à magistratura. Homem simples e muito agradável. Um magistrado muito devotado”, afirmou Fábio Araújo.

“Eduardo José fará falta a nós, juízes, e ao Poder Judiciário paraibano, eis que dedicou sua vida a promover a justiça, com atuação sempre competente, orientada pela lhaneza, tanto com os jurisdicionados quanto com seus colegas de profissão”, pontuou a juíza Aparecida Gadelha.

O magistrado Ely Jorge também declarou seu apreço pelo juiz Eduardo: “Um colega que engrandeceu o Judiciário paraibano e que, mesmo com a aposentadoria, continuará prestando contribuições, através de suas pesquisas acadêmicas. Um grande magistrado; uma grande figura humana”.

Trajetória – Eduardo José de Carvalho Soares iniciou a carreira pela Comarca de Aroeiras, seguida de Rio Tinto, onde passou oito anos. Em 1989, foi promovido para Campina Grande, lá permanecendo até 2002. Na sequência, passou pela Comarca de Santa Rita e, 60 dias depois, foi removido para João Pessoa, assumindo o 4º Juizado Especial Cível, depois, a 4ª Vara da Fazenda Pública e, em seguida, a 8ª Vara da Fazenda, que se transformou em Executivos Fiscais.

Ocupou a Vice-Diretoria da Esma; integrou o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) como membro efetivo, na categoria Juiz de Direito, e como diretor da Escola Judiciária eleitoral. Foi juiz auxiliar da Presidência do TJPB (biênio 2015-2016) e coordenador da Meta 6 do CNJ por sete anos consecutivos.

“Só tenho gratidão. Foram 30 anos dedicados ao Judiciário estadual; 36, ao serviço público”, disse o juiz recém-aposentado, ao falar com carinho da própria carreira e da sensação de dever cumprido.

Por Gabriela Parente