Presidente do TJPB participa do encerramento da correição na Comarca de Santa Rita

Presidente João Benedito fala aos presentes

O presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargador João Benedito da Silva, participou, nesta sexta-feira (12), do encerramento da Correição Geral Ordinária realizada pela Corregedoria Geral de Justiça na Comarca de Santa Rita, no período de 1° a 12 de abril. Ao lado do corregedor-geral, desembargador Carlos Martins Beltrão Filho, e do desembargador Fred Coutinho, o presidente destacou a alegria em comparecer à finalização dos trabalhos correcionais.

“Temos um compromisso grande por sermos integrantes do Poder Judiciário. E esse compromisso começa com o nosso trabalho para levarmos uma imagem positiva da Justiça por onde passarmos, atendendo bem as pessoas e dando celeridade ao andamento doa processos”, afirmou João Benedito.

Corregedor Carlos Beltrão encerra trabalhos

O corregedor Carlos Beltrão ressaltou que o papel da CGJ foi cumprido da melhor forma. E agradeceu a presença dos colegas desembargadores no evento. “Sabemos da importância de contarmos com o apoio da Presidência. O trabalho iniciado pelo desembargador Fred na Corregedoria, e continuado por nós, tem como base a cooperação, a participação na rotina da comarca e a escuta. O que todos nós queremos é construir uma Justiça melhor, o que só é possível com união e foco na jurisdição”, pontuou.

Já o desembargador Fred Coutinho apontou a relevância da passagem da CGJ em uma comarca, pelo caráter orientativo. “Vivemos numa rotina e, às vezes, deixamos de ver o que nos rodeia. Então a Corregedoria passa e, como um órgão de instrução e aprimoramento, mostra algo a ser feito. Abracem as orientações que receberam e busquem sempre a melhoria para servir a cidadania”, disse.

Des Fred destaca importância da CGJ

Coordenador da correição, o juiz corregedor Carlos Neves relatou o que foi feito nas duas semanas de trabalho e assim, concluiu: “O sentimento é de dever cumprido. Foram muitas atividades internas e externas, sempre focadas na aproximação. Todas as ações constam no relatório e esperamos ter deixado a nossa contribuição, por meio dos provimentos, determinações e recomendações”.

A juíza diretora do Fórum, Anna Carla Falcão, afirmou que os resultados foram positivos. “A vinda da Corregedoria trouxe boas novas. Aqui, foi constatada de perto a nossa forma de trabalho, nossas dificuldades e necessidades, nossos erros e acertos. Agradeço em nome de todos que fazem a Comarca de Santa Rita”.

Também nesta sexta-feira (12), o juiz corregedor Antônio Carneiro de Paiva Júnior encerrou os trabalhos correcionais do foro Extrajudicial da Comarca, na presença dos delegatários da região. “A cada correição, quando vemos que a unidade extrajudicial se sente protegida e auxiliada, sentimos orgulho. Não queremos temor; nosso intuito é colaborar”, declarou.

Por Gabriela Parente

Corregedoria abre trabalhos correcionais na Comarca de Santa Rita

Corregedor Carlos Beltrão abre correição

Foram deflagradas na manhã desta segunda-feira (1º) as atividades da Correição Geral Ordinária que serão realizadas na Comarca de Santa Rita até o dia 12 de abril do corrente ano. A audiência pública de abertura dos trabalhos ocorreu no Fórum Juiz João Navarro Filho e teve a participação de representantes locais dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, membros do Ministério Público e da Defensoria Pública, delegatários, advogados, servidores e jurisdicionados interessados.

O trabalho inclui análise técnica de processos eletrônicos e físicos, livros, estrutura física e tecnológica, bem como orientações sobre procedimentos e uso de sistemas que possam garantir o fluxo correto e eficiente das cinco Varas Mistas e do Juizado Especial da unidade judiciária. No foro Extrajudicial, também será observado o funcionamento das oito serventias existentes na Comarca, que é integrada, também, pelo município de Cruz do Espírito Santo.

Juiz corregedor Carlos Neves explica atividades da correição

A audiência foi aberta pelo corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão, que ressaltou o caráter de diálogo da correição. “Queremos vivenciar nestes 10 dias o que acontece na comarca, saber dos problemas existentes para encontrarmos, juntos, as soluções. Será um trabalho de muito diálogo, troca e apoio, com a finalidade de prestarmos uma boa jurisdição”, disse.

O coordenador dos trabalhos, juiz corregedor Carlos Neves, explicou que durante o período será analisado o funcionamento de todos os serviços e setores. “Além do previsto na correição, tanto na área judicial quanto na extrajudicial, temos, ainda, o intuito de fortalecer os laços institucionais, por meio de visitas aos órgãos e instituições que atuam articulados com o Poder Judiciário”, acrescentou.

O magistrado também reforçou o lema da CGJ de buscar aproximação e efetividade. “Queremos um Judiciário próximo da sociedade e bons resultados”, finalizou.

Juíza Anna Carla Falcão recepciona integrantes da CGJ

A juíza diretora do Fórum de Santa Rita, Anna Carla Falcão, afirmou que a presença da CGJ na unidade é vista sem temor. “A Corregedoria significa o compartilhamento de boas experiências e a vontade do Tribunal em ver o nosso trabalho. E isso é um presente, pois poderemos ser visto em tudo o que lutamos e fazemos, com a oportunidade de sermos ouvidos em nossos anseios por uma equipe qualificada”, apontou.

Também fizeram uso da palavra os juízes corregedores Antônio Carneiro e Aparecida Gadelha, que complementaram as informações sobre os procedimentos previstos ao longo das semanas.

A mesa foi integrada ainda pelo corregedor-geral da Defensoria Pública, Coriolano Dias de Sá Filho, pelas juízas Ana Flávia de Carvalho, Lilian Cananea, Maria dos Remédios Pedrosa e Israela Pontes e pelo juiz Gutemberg Cardoso Pereira, que atuam na Comarca.

Por Gabriela Parente

Juiz corregedor visita Fórum de Santa Rita para tratar sobre correição que ocorrerá de 1º a 12 de abril

Reunião em Santa Rita para ajustes da correição

A Corregedoria Geral de Justiça está em fase preparatória para a Correição Geral ordinária que ocorrerá na Comarca de Santa Rita (3ª entrância), na modalidade presencial, no período de 1º a 12 de abril do corrente ano. Na manhã desta quarta-feira (20), o juiz corregedor Carlos Neves e a assessora Sheila Belmont estiveram na unidade judiciária para tratar sobre a organização dos trabalhos e o cronograma previsto para o período.

“Esta visita buscou definir previamente os espaços disponíveis para a realização das atividades a serem executadas e apresentar a programação de visitas externas ao Fórum”, acrescentou o magistrado, que está à frente do procedimento correcional em Santa Rita.

Na ocasião, os integrantes da CGJ foram recepcionados pela juíza titular da unidade, Anna Carla Falcão, e pela gerente do Fórum, Maria Wilma de Souza Leiros, com quem discutiram os últimos ajustes para a correição.

A audiência pública de abertura ocorrerá no dia 1º de abril de 2024, às 9h30, no Fórum Juiz João Navarro Filho, conforme o Edital nº 02/2024 da CGJ, assinado pelo corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão. O documento foi publicado no Diário da Justiça eletrônico (DJe) do dia 13 de março do corrente ano, por meio do qual foram convidados o chefe do Poder Executivo Municipal, os representantes legislativos do município, membros do Ministério Público e da Defensoria Pública, advogados, demais autoridades e jurisdicionados interessados.

Na sequência, serão deflagrados os trabalhos no foro judicial (cinco Varas Mistas e um Juizado Especial) e extrajudicial (oito Serventias) da Comarca de Santa Rita, que é integrada, também, pelo município de Cruz do Espírito Santo.

Desde que a atual gestão da CGJ foi iniciada, em fevereiro do ano passado, nove correições já foram realizadas – oito delas em 2023 nas Comarcas de Jacaraú, Gurinhém, São João do Rio do Peixe, Boqueirão, Itaporanga, Coremas, Catolé do Rocha e Sumé. Este ano, os trabalhos correcionais ocorreram em Cabedelo (26 de fevereiro a 8 de março), sendo a Comarca de Santa Rita a próxima.

Por Gabriela Parente

Corregedoria dá início à correição nos serviços judiciais e extrajudiciais da Comarca de Cabedelo

Corregedor Carlos Beltrão abre correição

‘Interlocução próxima’. Assim o corregedor-geral de Justiça da Paraíba, desembargador Carlos Beltrão, sintetizou a essência dos trabalhos correcionais iniciados na manhã desta segunda-feira (26) na Comarca de Cabedelo (3ª entrância). A audiência pública de abertura ocorreu no Fórum Desembargador Júlio Aurélio Moreira Coutinho.

A correição será realizada até o dia 8 de março e envolverá seis unidades judiciárias (cinco Varas Mistas e um Juizado Especial) e seis cartórios extrajudiciais localizados nos Municípios de Cabedelo, Lucena e no Distrito de Fagundes.

Juiz corregedor Antônio Carneiro explica os trabalhos da CGJ no local

Além da análise de processos, documentos, livros, sistemas e estrutura física das unidades do foro judicial e extrajudicial, as atividades incluem reuniões com autoridades locais, bem como visitas aos equipamentos que funcionam articulados com o Poder Judiciário, como Conselhos Tutelares, Casas de Acolhimento, Caps, entre outros.

“Estamos aqui com todo respeito pelo trabalho de cada um. Não buscamos fiscalizar para apontar erros, mas para corrigi-los, quando encontrados, e sobretudo, para melhorar o que já vem funcionando. Nosso objetivo é somar junto aos cartórios e às serventias locais”, afirmou o desembargador corregedor Carlos Beltrão.

O juiz corregedor Antônio Carneiro, coordenador da correição, explicou como serão executadas as ações durante o período. “O trabalho correcional é focado em aprimorar a prestação jurisdicional, lembrando que os conflitos precisam ser resolvidos da forma mais humanizada e respeitosa possível. Qualquer servidor, magistrado ou pessoa da comunidade de Cabedelo que queira conversar reservadamente com a Corregedoria pode nos procurar”, acrescentou.

Juíza Giovanna Lisboa recepciona integrantes da CGJ

A recepção à equipe da CGJ foi feita pela juíza diretora da Unidade, Giovanna Lisboa. A magistrada revelou que a unidade possui, hoje, cerca de 22 mil processos em tramitação. “Historicamente, esta é a primeira correição geral da Comarca, o que nos traz uma expectativa grande. Temos sede de saber não só o que a Corregedoria sente acerca do nosso trabalho, mas, também, o jurisdicionado. Recebemos a correição com satisfação, pois sabemos que se trata de um trabalho de orientação”, declarou.

Os demais magistrados e magistradas que integram a comarca também pontuaram a disponibilidade para os trabalhos da Corregedoria.

Estiveram presentes, ainda, o juiz corregedor Carlos Neves, os juízes João Machado de Souza Júnior e Henrique Jácome, as juízas Graziela Queiroga Gadelha, Thana Michelle Rodrigues e Teresa Cristina Veloso, além dos servidores locais e representantes das serventias extrajudiciais.

Por Gabriela Parente

Correição da CGJ na Comarca de Cabedelo tem início nesta segunda-feira (26)

Começa nesta segunda-feira (26) a correição geral ordinária nos serviços do foro judicial e extrajudicial da Comarca de Cabedelo (3ª entrância). O procedimento será realizado até o dia 8 de março pela Corregedoria Geral de Justiça da Paraíba, na modalidade presencial, conforme Edital nº 01/2024 da CGJ publicado no Diário da Justiça eletrônico do dia 31 de janeiro do corrente ano.

A abertura dos trabalhos ocorrerá às 9h30, no prédio do Fórum Desembargador Júlio Aurélio Moreira Coutinho, situado na Rodovia BR 230 – Km 01, s/n – Bairro de Camalaú.

Para a abertura dos trabalhos, o corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Martins Beltrão Filho, convocou os juízes e juízas titulares da unidade judiciária, além dos servidores, titulares das serventias extrajudiciais da Comarca, seus escreventes e funcionários.

Foram convidados a participar da solenidade o prefeito do Município de Cabedelo, os representantes do legislativo local, membros do Ministério Público estadual e da Defensoria Pública do Estado, advogados, demais autoridades e jurisdicionados interessados.

Durante as atividades correcionais, a Corregedoria-Geral de Justiça disponibilizará ambiente próprio e reservado aos interessados em realizar denúncias, reclamações ou sugestões a respeito da execução dos serviços prestados na Comarca de Cabedelo.

CGJ vai realizar correição nos serviços do foro judicial e extrajudicial de Cabedelo

Fórum da Comarca de Cabedelo

A Corregedoria Geral de Justiça (CGJ) vai realizar correição geral ordinária nos serviços do foro judicial e extrajudicial da Comarca de Cabedelo (3ª entrância), na modalidade presencial, no período de 26 de fevereiro a 8 de março, conforme Edital nº 01/2024 da CGJ publicado no Diário da Justiça eletrônico do dia 31 de janeiro do corrente ano.

A abertura dos trabalhos ocorrerá às 9h30, no prédio do Fórum Desembargador Júlio Aurélio Moreira Coutinho, situado na Rodovia BR 230 – Km 01, s/n – Bairro de Camalaú.

Para a abertura dos trabalhos, o desembargador Carlos Martins Beltrão Filho, corregedor-geral de Justiça, convidou o prefeito do Município de Cabedelo, os representantes do legislativo local, membros do Ministério Público estadual e da Defensoria Pública do Estado, advogados, demais autoridades, além dos(as) jurisdicionados(as) que possam se interessar, e, na qualidade de convocados, os(as) juízes(as) titulares da unidade judiciária, servidores(as) judiciais, titulares das serventias extrajudiciais da Comarca, seus escreventes e empregados.

Durante as atividades correcionais, a Corregedoria-Geral de Justiça disponibilizará ambiente próprio e reservado aos interessados em realizar denúncias, reclamações ou sugestões a respeito da execução dos serviços prestados na Comarca de Cabedelo.

Por Marcus Vinícius (Gecom)

Corregedor destaca importância do diálogo entre Judiciário e instituições durante encerramento da correição em Sumé

Corregedor encerra correição na Comarca de Sumé

Uma semana de avaliação de processos e da estrutura do Judiciário, visitas às serventias extrajudiciais, diálogos com as instituições locais e inspeções nas unidades prisionais da região. Assim foi a correição encerrada nesta sexta-feira (20) pela Corregedoria Geral de Justiça da Paraíba na Comarca de Sumé.

Conduzida pelo corregedor-geral de Justiça da Paraíba, desembargador Carlos Beltrão, e pelos juízes corregedores Carlos Neves, Aparecida Gadelha e Antônio Carneiro, a correição foi iniciada na segunda-feira (16), focada na orientação e no aperfeiçoamento das atividades.

O corregedor Carlos Beltrão avaliou positivamente as orientações e diálogos promovidos na Comarca de Sumé durante a semana. “Vemos sempre o quanto é necessária esta interação; o quanto é importante o diálogo do Judiciário com as instituições, com o Extrajudicial e com todos e todas que trabalham conosco. Temos que ter um olhar humanizado e dedicarmos esta atenção para que as coisas funcionem cada vez melhor”, declarou.

O desembargador-corregedor também elogiou os trabalhos desenvolvidos no Fórum. “A Comarca passou muito tempo sem juiz titular, mas, recentemente, passou a contar com uma magistrada titular proativa, Juliana Uchoa, que está reorganizando a unidade. Encontrarmos uma comarca organizada, com bom funcionamento, além de servidores empenhados no cumprimento de seu papel. Foi uma semana produtiva e esperamos ter deixado uma contribuição importante”, disse.

Por Gabriela Parente

Orientação e visitas a cartórios e Cadeia marcam correição em curso na Comarca de Sumé

Audiência de abertura da correição

Os trabalhos correcionais da Corregedoria Geral de Justiça da Paraíba estão em curso na Comarca de Sumé até esta sexta-feira (20), numa ação focada na orientação e no aperfeiçoamento das atividades.

Desde a segunda-feira (16), após a audiência de abertura da correição ocorrida no Fórum Des. Arquimedes Souto Maior Filho, a equipe da CGJ tem dialogado com servidores e magistrada da unidade judiciária, visitado as serventias extrajudiciais que integram a Comarca e vistoriado o funcionamento de equipamentos e serviços diversos, a exemplo da Cadeia Pública de São João do Cariri.

Corregedores visitam Registro de Imóveis de Sumé

Integram a Comarca os municípios de Sumé, Amparo, Congo, Ouro Velho e Prata. Até o momento, a CGJ realizou correição nas Comarcas de Jacaraú, Gurinhém, São João do Rio do Peixe, Boqueirão, Itaporanga, Coremas e Catolé do Rocha, sendo Sumé a oitava Comarca a passar pela correição da atual gestão da CGJ.

Por Gabriela Parente

Oitava correição do ano realizada pela CGJ ocorrerá na Comarca Sumé de 16 a 20 de outubro

A oitava comarca a ser correcionada pela Corregedoria Geral de Justiça da Paraíba durante o ano de 2023 será Sumé. No período de 16 a 20 de outubro, os corregedores e as equipes designadas estarão nas unidades do foro judicial e extrajudicial, avaliando estruturas físicas, documentos, livros, equipamentos, bem como orientando sobre rotinas e procedimentos necessários ao aperfeiçoamento da prestação jurisdicional.

A abertura dos trabalhos ocorrerá nesta segunda-feira (16), às 9h30, no Fórum Des. Arquimedes Souto Maior Filho, conforme o Edital nº 08/2023, publicado no Diário da Justiça eletrônico (DJe) do dia 27 de setembro. A audiência pública será conduzida pelo corregedor-geral de Justiça, desembargador Carlos Beltrão, e pelos juízes corregedores Aparecida Gadelha, Carlos Neves e Antônio Carneiro.

Integram a Comarca os municípios de Sumé, Amparo, Congo, Ouro Velho e Prata. Até o momento, a CGJ realizou correição nas Comarcas de Jacaraú, Gurinhém, São João do Rio do Peixe, Boqueirão, Itaporanga, Coremas e Catolé do Rocha, bem como realizou visitas e inspeções em outras unidades judiciárias e extrajudiciais do Estado.

“Temos compromisso com a eficiência e a qualidade”, diz corregedor-geral na abertura da correição em Catolé do Rocha

Corregedor Carlos Beltrão declara aberta a correição

“Temos compromisso com a eficiência e com a qualidade – metas que procuraremos alcançar nesses dois anos. A Corregedoria não vem para encontrar erros, mas para cumprir seu papel institucional de colaboração com a comarca”, afirmou o corregedor-geral de Justiça da Paraíba, desembargador Carlos Beltrão, ao abrir os trabalhos correcionais iniciados nesta segunda-feira (11) na Comarca de Catolé do Rocha.

As atividades da semana incluem vistorias, análises processuais, visitas aos equipamentos da Justiça e às unidades extrajudiciais da Comarca, bem como a órgãos externos diversos. Além de Catolé do Rocha, a correição alcança os municípios de Belém do Brejo do Cruz, Bom Sucesso, Brejo do Cruz, Brejo dos Santos, Jericó, Mato Grosso, Riacho dos Cavalos e São José do Brejo do Cruz.

Durante a audiência de abertura, o coordenador dos trabalhos, juiz corregedor Carlos Neves, falou sobre a importância da qualificação. “Estamos aqui para contribuir com este processo de qualificação. O papel fiscalizador do órgão correcional sempre vai existir, mas acompanhado da visão de trazer aprimoramento aos serviços”, pontuou.

A juíza corregedora Aparecida Gadelha reforçou a mensagem: “A Corregedoria não foca em corrigir, mas em correger – reger junto. É essa a visão que trazemos para os trabalhos da semana. Temos o objetivo de levar boas experiências para distribuirmos em outras comarcas e de orientar a partir do que sabemos para aperfeiçoar”.

Também o juiz corregedor Antônio Carneiro destacou a importância da humanização. “Devemos buscar fazer o melhor, de forma humanizada. Isso é essencial para que possamos entregar um serviço digno”, declarou.

juiz Mario Leite fala durante audiência de abertura

As boas-vindas foram proferidas pelos magistrados locais presentes. O juiz Mário Guilherme Leite de Moura enalteceu a missão da CGJ. “Entendo que a Corregedoria está aqui para nos ajudar e nos dar alguns redirecionamentos, que são sempre necessários”, disse.

Já o magistrado Renato Levi Dantas Jales falou sobre a união existente entre Defensoria, OAB, Ministério Público, e Judiciário. “Temos, todos, o entendimento de que precisamos agir para que o processo tenha fim, de forma breve e legal. Estamos à disposição para o que precisarem”, afirmou.

Também compareceu à audiência, a defensora pública-geral, Madalena Abrantes e o promotor de Justiça Arthur Magnus, que desejaram êxito aos trabalhos correcionais.

Por Gabriela Parente